LGPD: o que NÃO fazer em suas estratégias de marketing

LGPD: o que NÃO fazer em suas estratégias de marketing

Com a nova LGPD em vigor, a atenção precisa ser redobrada para poupar dores de cabeça e gastos desnecessários

 

Em 18 de setembro, entrou em vigor no Brasil a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Depois de mais de 10 anos de debate sobre essa legislação, que segue uma tendência mundial de criação de meios para aumentar a transparência sobre o uso de dados, o cidadão brasileiro assumiu uma posição de autonomia sobre suas informações — parece óbvio, mas essa não era a realidade até então.

A LGPD impõe novas normas tanto para o setor público quanto para o setor privado, o que significa que as empresas precisam fazer adaptações. Aqui no blog da Evolutiva, você já aprendeu como o seu site deve se adaptar à nova lei. Agora é hora de conferir algumas dicas sobre o que NÃO fazer em relação às suas estratégias de marketing:

 

1- Listas prontas com nomes e contatos? Esqueça!

Essa prática já era considerada antiética no mundo do marketing, mas agora também é ilegal. Na ânsia de tentar apresentar sua marca ao maior número possível de pessoas, muitas empresas recorrem às listas de leads fornecidas por terceiros.

A LGPD proíbe esse tipo de prática porque as pessoas cujos dados estão nas listas não estão cientes do uso que está sendo feito de suas informações. Além disso, as listas também podem ser pouco eficazes, já que não trazem o que chamamos de leads qualificados — contatos de pessoas com algum grau de afinidade com o produto ou serviço que a empresa está oferecendo.

 

2- Dados que você não vai utilizar? Não pode e não precisa!

Talvez você esteja pedindo informações de seus clientes em potencial que você vem vai precisar. É comum que as empresas procurem ter acesso a um grande número de informações para facilitar contatos futuros. Mas o princípio da necessidade, detalhado na LGPD, prevê que só podem ser coletados os dados que serão utilizados na sua operação atual.

Então, nada de fazer um formulário em seu site pedindo e-mail, endereço e telefone se a sua comunicação com o cliente será feita só por e-mail, ok? Isso também facilita a aquisição de novos leads, já que muitas pessoas ficam intimidadas quando têm de preencher formulários muito extensos.

 

3- Aproveitar o dado que você já tem para finalidades não descritas em sua política de privacidade

Suponha que você fez uma pesquisa de mercado para lançar um novo produto e, no cadastro dos entrevistados, recebeu dados que agora você deseja utilizar para oferecer o produto em si. Se você não avisou, formalmente, que os dados também poderiam ser utilizados em estratégias de marketing, a LGPD proíbe esse desvio de finalidade.

Basicamente, o que você precisa para sua empresa não cometer alguma ilegalidade em relação à LGPD é manter sempre a transparência e deixar todos os detalhes sobre o uso de dados sempre muito claros.

Acompanhe o blog da Evolutiva para mais dicas e, se precisar de ajuda para redefinir suas estratégias, fale com a gente!

 

Leia também

Devo adequar meu site em relação à LGPD?